domingo, 8 de março de 2009

Eu...

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida nao tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a cricificada...a dolorida...

Sombra de nevoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguem ve...
Sou a que chamam de triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber por que...

Sou talvez a visao que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!

10 comentários:

Daniel Savio disse...

Bem, as duas possibilidades que passaram na cabeça são a vida e a morte, mas elas são meio que citadas do texto, então acho que é a esperança...

Fique com Deus, menino Cronista.
Um abraço.

darsh. disse...

"Sou aquela que passa e ninguem ve...
Sou a que chamam de triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber por que..."

minha cara isso.

Rafael Vidal disse...

Sou a que chamam de triste sem o ser...

Ai eu tatuava isso no meu braço, muito Rafael Vidal!

Gabriela Magnani disse...

Gostei do seu blog. Ah, e beleza pode até ser fundamental, mas não é tudo, certo? Obrigada pela visita e pelo comentário :D

Jaya disse...

Quem é ela?

[ rod ] disse...

Sou e somos... és e serás a força que aguça o sentido.

Irreconhecível... talvez. Coerente... por certo.


Abçs meu caro,





Novo Dogma:
queReres...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Jaya disse...

Atualiza, Marcitcho!

Larissa disse...

Quem é você?

Vinícius de R. Rodovalho disse...

Quem somos nós?

(Só para completar as flexões de pessoa das indagações aqui feitas. Rs. Já foi dito Ela, Você, Nós. Que venha o próximo com um outro pronome! Rs.)

Mas, quanto à moça do soneto, que incógnita, hein! E, posso dizer? Lembrou meu xará. O de Moraes.

Bom MESMO, Cronista.

Jaya disse...

ATUALIZA, cara!