domingo, 15 de fevereiro de 2009

m u r i l o


do espanhol, “pequeno muro”

Do murilo que entre nós havia, uma muralha imensa se ergueu e sempre invencível. A princípio comecei contando as horas e depois os dias que logo se transformaram em semanas e em meses. Agora não conto mais nada, nem mesmo com a esperança.

Já pensei em te beijar e então partir; em fugir e então voltar. Já pensei gritar-lhe o nome e me esconder; te xingar e me arrepender. Já considerei o fato de nunca ver-te, de ter-lhe, por uns tempos, por uns braços; de negar-lhe, de ceder-lhe. Já pensei na existência, decadência, no amor e na solidão. Já pensei que poderia amar e ser amado, por um dia nesta vida. Já pensei em buscar-lhe e esquecer; em me entregar e me esquecer. Agora não penso mais nada.


19 comentários:

Vitor Andrade disse...

e a bossa é amor!

Vitor Andrade disse...

e essa citação de pessoa é foda!

Ana Pin disse...

cheguei até aqui sem querer, mas lí alguns de seus posts e achei o máximo, em especial o sobre 2009, mas haviam tantos coments lá que desisti e vim comentar neste mesmo!

Parabéns pelo Dom!

Marcos Roberto disse...

Às vezes pensar é o que mata.A mente pode ser uma péssima companhia quando quer

Arielle disse...

adoro desfechos assim! suaiHsiaS

as vezes eh preferivel tentar nao pensar mesmo, porque se for parar e refletir, a tristeza vem em cheio!

adoroooooo voce!

:*

Vitor Andrade disse...

ah... tanto o ouro de mina quando o letras, cor4es imagens, são meus!
espero que tenha gostado
hehe

Vitor Andrade disse...

sim, sim! amo expressões de arte!

Larissa disse...

Não pense em nada.

darsh. disse...

Não pense em nada [2]

Daniel Savio disse...

só pense num negocio, senão deu certo parte para outra (nota que eu tabém devia seguir este conselho, pois eu também tenho um "foco de eventos", vulgo interesse romântico, mas não vai render nada)...

Fique com Deus, menino.
Um abraço.

Natália Souza disse...

adorei hein?!

Rafael Vidal disse...

Gzuis!

Tiago Júlio disse...

aê, finalmente leio um texto num blog tratando do tal do amor sem frescurites, enfeites e doçuras dramáticas. É simples, é só isso.
Bem bom.

(ah, e mortos no blog, só os meus)

Chirifulfly disse...

Incrivel. Adorei. O tempo muda o sentido dos desejos.

Vinícius de R. Rodovalho disse...

Brilhante, Sr. Cronista! Gostei de como cada palavra brincou com a outra, tecendo sentidos diferentes para cada ângulo de leitura.

Quanto às muralhas e aos murilos, conheço-os bem. Quando se vê, já estão construídos, bem sólidos, entre as pessoas. Separando as pessoas. Ou protegendo, vá entender.

Sobre pensar, às vezes pense. Faz bem. Mas após ter muito pensado, cogitado hipóteses, suposto possibilidades, enfim.. Depois de tudo isso, é melhor não pensar. E Relaxar e gozar a calmaria do desentendimento.

:)

Mr. Ziggy disse...

Será que não pensa mesmo?

Jaya disse...

Ah, os murilos! As muralhas. O não quebrar...

Pra que pensar?

[Adorei, Marcio].

fale com ela disse...

E onde aperta pra parar de pensar?

Anônimo disse...

bom comeco